Pastor da Assembléia de Deus que viveu de perto a tragédia faz emocionante relato #ForçaSantaMaria

Recebi do Pastor Eliezer Oliveira Cezar este triste relato. Ele está em Santa Maria levando orações e conforto à familiares das jovens vítimas da tragédia do ultimo final de semana.

Este relato me fez refletir ainda mais sobre a importância da vida e da segurança de nossos filhos e irmãos.

Relato sobre a tragédia 27/01/13 – Santa Maria

images (2)Ao saber do trágico acontecido, dirigi-me ao Centro Desportivo Municipal para conceder apoio espiritual as famílias envolvidas e ao mesmo tempo verificar a existência de irmãos nossos que pudessem eventualmente ter perdido seus filhos, ou, familiares na tragédia.
Lá chegando havia uma total confusão do lado de fora, pois da multidão dos que ali estavam todos queriam informações, pois lá dentro estavam os corpos de mais de 230 jovens, e espalhados nos hospitais haviam outros tantos ainda com vida. Como era o início de tudo, as informações estavam desencontradas. O acesso à parte de dentro do ginásio era impossível, mas ao identificar-me como pastor, e apresentar a credencial CIEPADERGS, fui logo autorizado pelos policiais a ter o acesso ao local onde aos poucos ( de 10 em 10) os familiares iam sendo conduzidos para começarem a receber informações.
Lá dentro uma multidão de voluntários, sendo psicólogos, médicos de todas as áreas, enfermeiros, policiais, religiosos…
A medida que os familiares iam adentrando o local, em total desespero, iam sendo conduzidos as arquibancadas, ali, procurávamos entregar uma palavra, uma oração…
Naturalmente que era um momento de difícil abordagem, então comecei a distribuir de forma geral, copos de água, a medida que alcançava um copo de água já procurava abordar e falar de Jesus. Todos os abordados recebiam a oração… Humanamente um momento de total impotência diante de tudo o que víamos, mas crendo no consolo do Espírito Santo, procurei ministrar oração com tantos quantos fosse possível… Em alguns momentos levei copos de água aos que estavam do lado de fora, no sol, agora já com algumas horas de infinita espera…
Em dado momento identifiquei um irmão nosso que buscava informações sobre sua filha… Ele foi conduzido ao prédio ao lado, e logo em seguida me dirigi para lá, foi quando então veio a triste notícia de que sua querida filha de apenas 18 anos de idade, estava entre os corpos que jaziam lado a lado, sobre uma lona preta logo no prédio ao nosso lado, oramos e choramos juntos… Ele somente repetia: Pobrezinha…pobrezinha…pobrezinha…. Foi neste momento que pude ver o pior cenário da minha vida… Todos jovens… bonitos…bem arrumados…meninas ainda maquiadas… vestidas para festa… Alguns poucos, queimados… lembro de apenas um, com o rosto deformado pelo fogo…todos mortos… rapazes de um lado, moças de outro… sobre o peito suas carteiras, documentos, celulares (que segundo relatos daqueles que trabalharam desde cedo, tocavam sem parar)…vidas e sonhos interrompidos…muitos com os braços estendidos, como um último apelo… muitos com um número, para facilitar a localização daqueles que viriam para reconhecê-los dentre tantos…
Neste local o desespero era total, cada vez que um pai, uma mãe ou um parente identificava o seu menino, ou a sua menina…
Após liberados iam para o salão ao lado, lá os recebíamos com uma oração…para alguns um aconselhamento sobre o que fazer… para outros providenciávamos o local para velarem seus mortos. Neste interim, por várias vezes o contato do Pr. João Oliveira, informando-se, nos orientando e disponibilizando os templos para acolher familiares e até caixões, o que ocorreu em algumas congregações…
A cada oração feita, o desabar daquelas pessoas era visível, ao mesmo tempo em que recobravam forças para prosseguir e desenrolar tal situação…
Neste momento eu já estava acompanhado do Pr. Cleber Boáz, que durante a manhã havia prestado assistência no Hospital de Caridade juntamente com o Ev. Cesar Fernandes, e do Pb. Getulio Oliveira, que haviam chegado para juntos assistirmos aquelas pessoas…
Quando sai daquele local, horas depois, do lado de fora para onde olhava, via milhares de pessoas chorando. Quando cheguei em frente a Escola Cilom Rosa, ouvi, vindo de dentro do pátio da escola o choro de um homem de tal forma que não ha como expressar em palavras, voltei entrei no pátio coloquei a mão sobre o ombro daquele homem o clamei aos céus por ele… choramos juntos…(choro ao lembrar e escrever…) era alguém que não conheço, não sei quem era, mas após orar, ele sentou-se e acalmou um pouco, sendo logo cercado por familiares… La dentro do pátio outros irmãos, ao procurá-los, fui informado que tinham perdido um sobrinho…
A noite ao transitar em algumas ruas da cidade, por todos os lados haviam velórios sendo realizados, inclusive em locais mais impróprios, como lojas por exemplo…
No outro dia, recorremos eu e o Pr Boaz, os cemitérios, para levar novamente uma Palavra aquelas famílias, agora já quase vencidos pelo cansaço, mas com o peito igualmente sangrando como no dia anterior… Ainda eram milhares de pessoas, que num total silêncio (interrompido muitas vezes por gemidos e choros…) despediam-se dos seus jovens filhos.
Em nossa atividade, a Igreja Assembleia de Deus foi representada para a assistência espiritual e social, mas haviam alí trabalhando desde o início, muitos profissionais que são membros de nossa igreja, sendo:
Médicos (Dr. Fabrício Lemos, possivelmente houvessem outros, mas este lembro de tê-lo encontrado), enfermeiros (vários), psicólogos, militares (vários, mas com destaque ao Cap. Garcia, que fora entrevistado ao vivo pelo Faustão, e tem matéria falando sobre ele no site G1 http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2013/01/capitao-diz-ter-tirado-mais-de-180-corpos-de-banheiro-de-boate-no-rs.html  policiais militares e civis, peritos (que foram de grande importância na identificação dos corpos), profissionais das funerárias entre outros…
Enfim, um grande número de profissionais que fazem parte da Assembleia de Deus em Santa Maria, estiveram trabalhando, a muitos de forma solidária.

Isso é apenas uma parte do que vimos e vivenciamos nestes dias…
O trabalho continua para todos, muito mais para nós, que agora temos de acompanhar estas famílias e levá-los a Cristo.

Pr.Eliezer O. Cezar
2º Secretário IEAD/SMrosas brancas

Anúncios

#Santa Bárbara do Sul precisa da sua #ajuda! Colabore com essa Campanha

foto ZH

SOS – Seja solidário com as famílias de Santa Bárbara do Sul, no noroeste do RS, que perderam suas casas, suas roupas, seus projetos de uma vida toda.

O forte temporal que arrasou a cidade no ultimo sábado deixou diversas pessoas sem um teto. Hoje elas estão recolhendo o que sobrou em meio aos escombros e você pode ajudar.

Deposite uma quantia qualquer, o que estiver ao seu alcance na

CONTA CORRENTE 040.108.420-0
Ag 0341 – Banrisul
E ajude a recuperar Santa Barbara do Sul

Ontem quando visitava Santa Barbara do Sul, cidade que foi atingida por uma tormenta deixando rastros de destruição, acompanhando uma equipe da prefeitura que fazia a inspeção quando alguém me perguntou vendo as centenas de casas destruídas. Isto é castigo deputado? Respondi isso é consequência da ação irracional do homem na natureza, Deus não castiga dessa forma punindo o inocente com o pecador, enquanto outros pecadores ficam livres do castigo para continuar no pecado. Ele replicou-me, mas, se Deus tem controle por que não impediu isso? Respondi-lhe, nem sempre o amor de Deus nos livra da consequência de nossos erros, é a lei da semeadura, da causa e o efeito, mas, nesse caso específico Deus interviu a favor das vidas humanas que foram poupadas. Aqui se nota o controle de Deus a favor do homem, Deus permitiu a ação do tempo sobre aquilo que é material e não sobre as vidas humanas. Continuando a visita deparei-me com o Pastor Leonel da Assembléia de Deus de Santa Barbará do Sul no telhado de uma das casas atingidas pelo temporal auxiliando na reconstrução da casa de umas das famílias mais carentes. Parabéns pastor Leonel Assis de Lima! ” Pastoreai o rebano de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer, nem por sórdida ganância, mas de boa vontade.” 1 Pedro 5:2.

Meteorologistas ainda analisam fenômeno que deixou, pelo menos, 20 casas destruídas. Foto: JC

Santa Bárbara do Sul aguarda verbas federais

O forte temporal que atingiu o município de Santa Bárbara do Sul, na noite de sábado, deixou cerca de 40% da área urbana prejudicada. O município, que está localizado na região Noroeste do Estado e que possui cerca de oito mil habitantes, ainda espera para obter o decreto de situação de emergência e receber recursos federais. A homologação pode levar até 20 dias, mas a Defesa Civil Estadual está trabalhando pela redução do prazo para 48 horas.

Conforme explica o sargento Soska, da Defesa Civil Estadual, o levantamento preliminar do incidente contabiliza, até o momento, 123 residências danificadas, 20 destruídas e 50 pessoas desalojadas. Ainda não se sabe quantas pessoas ficaram feridas, mas os bairros mais prejudicados pela ventania foram Leoblein, Centro e Cohab.

De acordo com a Defesa Civil, os serviços devem ser normalizados gradativamente, desobstruindo os locais e vias afetadas, recolocando postes e recolhendo os destroços das ruas. Os bombeiros e uma equipe da Defesa estão atendendo às situações emergenciais dos moradores desde domingo. “A nossa equipe está fazendo um levantamento referente aos subsídios necessários para a comunidade. Há muitos desabrigados”, garante Soska.

O temporal, com ventos que se aproximaram de 150 e 200 km/h, também interrompeu o abastecimento de energia elétrica. Além disso, provocou a queda de uma das torres de telefonia celular do município, deixando a população sem sinal e impossibilitando avaliações mais precisas do acontecimento.

Análise preliminar da MetSul Meteorologia apresenta probabilidade de que um tornado tenha se formado e atravessado parte da área urbana de Santa Bárbara do Sul. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ainda não confirmou se o que ocorreu na cidade foi, de fato, um tornado.

Para suprir as dificuldades, a Defesa Civil Estadual lançou a campanha SOS Santa Bárbara. Os donativos, principalmente cobertores, colchões e material de higiene, devem ser entregues na central de doações localizada no Centro Administrativo do Estado, na Capital, das 8h às 18h30min, inclusive aos fins de semana.

Além disso, recursos financeiros podem ser depositados na conta do Fundo Municipal de Defesa Civil da Prefeitura de Santa Bárbara do Sul (PMSBS) no Banrisul – Agência 0341, conta-corrente nº 0401084200.

Fonte: Jornal do Comércio