FIERGS apresenta propostas à Bancada Federal Gaúcha

rONALDO nOGUEIRA

Reuniao na FIERGS com a bancada gaucha, aonde foi discutido as 101 Propostas para a Modernização trabalhista , o Projeto Sul Competitivo e o Carvão Mineral. Encontro muito importante para o setor produtivo do nosso Estado.

18/3/2013 – Para apresentar propostas e projetos que colaborem com a melhoria da competitividade industrial e, da economia gaúcha, a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) realizou nesta segunda-feira (18), em sua sede, uma reunião com a Bancada Federal. Na pauta do encontro, foram analisados três temas principais: as 101 Propostas para a Modernização Trabalhista, o Projeto Sul Competitivo; e o Carvão Mineral. “Nosso propósito é o de colaborar de forma franca e aberta com propostas aos parlamentares e dialogamos para que nossa economia tenha o maior crescimento possível. Nosso partido é o ‘Partido do Desenvolvimento”, afirmou o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, na abertura do encontro, lembrando que esta é a quarta reunião realizada em sua gestão com a Bancada Federal Gaúcha.

O coordenador do Conselho de Relações do Trabalho e Previdência Social (Contrab) da FIERGS, César Codorniz, fez uma explanação sobre as “101 Propostas para Modernização Trabalhista”, estudo realizado por algumas das principais Federações do País, incluindo a FIERGS, a pedido da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Segundo Codorniz, o objetivo do trabalho é aumentar a competitividade. Entre as propostas elaboradas pela CNI estão a valorização e o fortalecimento da negociação coletiva, e a revogação ou a suspensão da obrigatoriedade de utilização do ponto eletrônico. Além disso, a CNI propõe a extinção do adicional de 10% sobre a multa indenizatória do FGTS nos casos de demissão sem justa causa, pois esta parcela não vai para o trabalhador. E defende a criação de incentivos para a contratação de ex-presidiários, entre outros itens.

RONALDO NOGUEIRA_FIERGSJá o Projeto Sul Competitivo, elaborado em conjunto pelas Federações das Indústrias do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, foi resumidamente apresentado pelo coordenador do Conselho de Infraestrutura da FIERGS, Ricardo Portella. O empresário enumerou uma série de obras consideradas prioritárias para o Estado. O principal nó logístico, segundo ele, é a acessibilidade à Região Metropolitana. Entre as sugestões apresentadas estão a adequação da rodovia que liga Dois Irmãos e Porto Alegre, incluindo nesta obra também a BR-448, e a construção da segunda ponte sobre o Guaíba. Soluções a problemas relativos às malhas ferroviária e hidroviária também foram apontadas, como um novo eixo de Integração da Ferrovia Norte-Sul (trecho Sul), a recuperação do molhe leste no porto de Rio Grande e a melhoria da Hidrovia do Mercosul, incluindo a dragagem de terminais na Lagoa dos Patos.

Segundo o novo coordenador da Bancada Federal Gaúcha, Ronaldo Nogueira, a necessidade de reformular e modernizar a legislação, preservando os direitos do trabalhador e desonerando a mão de obra é fundamental. “Ele sugeriu que sindicatos patronais e de trabalhadores sentem em uma mesa conjunta, com o Congresso Nacional, para definir a reforma na legislação.

Em relação à infraestrutura, Nogueira afirmou que o Estado é responsável e precisa ser o protagonista como seu provedor da infraestrutura. “A nossa infraestrutura, tanto ferroviária quanto rodoviária, foi projetada para um desenvolvimento econômico dos anos 60 e hoje estamos no século 21. Temos condições de nos utilizar de outros modais. É necessário o governo ter a iniciativa de buscar parcerias com a iniciativa privada para corrigirmos esses gargalos. Precisamos mais tempo no planejamento e mais precisão na execução”, observou.

O presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Carvão, César Faria, também fez uma apresentação sobre a situação do setor e das usinas no Brasil e no Rio Grande do Sul. Faria observou que 66% da energia utilizada no Rio Grande do Sul é importada de outras regiões. Faria observou que as existe perspectiva de se elevar a geração de energia no Estado com termelétricas a carvão, especialmente com dois projetos em Candiota e um em Cachoeira do Sul.

fonte: FIERGS

Anúncios

RS e SC querem CPI da Telefonia em suas casas Legislativas #CPIdasTelesJá

cpi-telefonia_carazinhoNa Assembléia Legislativa Gaúcha, iniciaram as coletas de assinaturas para protocolar o pedido de instalação da CPI que pretende investigar e punir as operadoras por danos causados ao consumidor pela má qualidade de sinal. Esta ação vem sendo liderada pelo Deputado Ernani Polo, no primeiro dia já foram coletadas 25 assinaturas.

Em Santa Catarina o novo presidente da Assembléia Legislativa, Joares Ponticelli, quer instalar uma CPI da Telefonia no estado. A finalidade é debater o péssimo serviço prestado pelas operadoras de telefonia celular no Brasil. Para o presidente da Assembleia e seus colegas dos maiores estados brasileiros, a Anatel não cumpre seu papel de fiscalização como agência reguladora e o usuário é penalizado.

Com a mudança da presidência do Congresso Nacional, o trabalho pela instalação da CPI da Telefonia recomeça. 2013 está nos trazendo muitas expectativas positivas partindo das casas Legislativas dos Estados.

No Congresso Nacional, com 188 assinaturas de deputados, protocolei o pedido de instalação da CPI da Telefonia em agosto do ano passado, em novembro entreguei representação contra as operadoras ao Ministério Público Federal.

Com o apoio dos Deputados Estaduais e da maioria dos Deputado Federais no Congresso, somados ao grande apoio popular que estamos recebendo a cada dia, esperamos que o resultado desta batalha seja positivo.