As boas e as más notícias do governo brasileiro

GasolinaEnquanto o brasileiro ainda comemora a redução dos valores da energia o governo prepara um contra ataque e desmontava a esperança do trabalhador.

Um “tapa de luva” foi anunciado, a partir de hoje os brasileiros irão pagar mais pelo combustível. Cai uma tarifa, aumenta outra, afinal, quando os brasileiros poderão finalmente comemorar redução de tarifas?

 

Preço da gasolina começa a aumentar na bomba

 

Os consumidores já estão sentindo o aumento no preço da gasolina em postos do Rio Grande do Sul. Dos sete postos consultados pela manhã, um deles já repassou a elevação. Mas ouvintes e leitores relatam, pelo Twitter, altas de até R$ 0,15.

Dois proprietários de postos de combustível com grande giro no estoque contam que receberam carga com os novos preços já pela manhã. O repasse dependerá de quanto tempo durar o estoque antigo. Pode ser hoje no início da tarde ou até amanhã.

O posto Alles Blau, de Igrejinha, vai aumentar o preço pela primeira vez depois de quase três anos. Conhecido por vender o litro a R$ 2,49, vai reajustar para R$ 2,65. Segundo o proprietário, Tiburcio Grings, foi acrescentado um aumento de R$ 0,04 dos últimos dois meses, justificado pela Petrobras pela elevação no etanol.

Rafael Bandeira, do Ecoposto, reclama que, mesmo com o aumento, o valor para cálculo do ICMS seguirá mais alto do que o cobrado na bomba. A alíquota do imposto é calculada em cima de R$ 2,94, valor estabelecido pelo Governo do Estado.

No caso do diesel, deve demorar um pouco mais para haver o repasse do aumento. Em geral, o combustível gira menos nos postos.
A Petrobras aplicou, nas refinarias, reajuste de 6,6% para a gasolina e de 5,4% para o diesel.

Peso na inflação

A gasolina é o item que mais pesa no cálculo da inflação de Porto Alegre. Segundo a FGV, é 3,10. O arroz e o feijão, juntos, pesam 0,46. A conta de luz pesa 2,79.

Mas estes valores consideram apenas o impacto direto. Aumento da luz e de combustível tem impacto indireto também na inflação, já que pressionam outros itens do cálculo do índice.

Para fevereiro, ao menos, é previsto que a redução da conta de luz vá compensar o aumento da gasolina no cálculo do IPCA. O índice é calculado pelo IBGE e considerado como inflação oficial do País.

fonte: Giane Guerra

Anúncios

BR 386: a estrada da produção é também a estrada da morte no RS @zerohora

ALERTA NA BR-386

estradaA incidência de acidentes nas estradas gaúchas é tão grande que todas as pessoas que conheço tem alguma relação com vítimas.
Muitos desses acidentes poderiam ter sido evitados se houvesse maior manutenção, sinalização e engenharia adequada para estas estradas.
A negligência com a conservação dessas estradas roubam vidas dentro das famílias gaúchas. Os impostos são pagos, muitas dessas estradas têm inclusive pedágios, os produtos transportados nestas estradas também pagam impostos, o governo não pode alegar falta de recursos.
Se não faltam recursos, o que falta então?

 

Estrada da morte mais mortal

Fundamental para o escoamento da produção gaúcha, a rodovia já registra número de óbitos em acidentes 15% superior a 2011

Antes simples, o ato de fechar os olhos e esperar pelo sono se transformou em um martírio para Amauri José Pereira da Silva, 58 anos. Sobrevivente da violenta colisão que matou sete pessoas na BR-386, em 19 de novembro, o aposentado é assombrado pelas lembranças do acidente.

Após a tragédia que dilacerou três famílias, Pereira passou por cirurgias e teve alta ontem, depois de ficar internado em estado grave no Hospital São Vicente de Paulo, em Passo Fundo. Ele enfrenta a dor da perda da mulher e de um casal de amigos na estrada da morte. O acidente vitimou também um casal e dois filhos pequenos que estavam em um Civic.

– Lembro de tudo. Um carro veio como um avião na nossa direção – relata o aposentado, sem conseguir conter o choro.

Assim como Pereira, outras famílias choram as 79 vidas perdidas este ano na BR-386, conhecida como estrada da produção, responsável pelo escoamento de boa parte da safra gaúcha. A 18 dias do encerramento de 2012, o trágico saldo já é superior aos dois últimos anos. Na comparação com 2011, são 10 mortes (cerca de 15%) a mais na rodovia. O número é alarmante, conforme a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Com 448 quilômetros de extensão, a estrada apresenta diferentes realidades e oferece, a cada trecho, perigos distintos aos motoristas. Para o engenheiro mecânico especializado em trânsito e assistente técnico da ONG Alerta, Walter Kauffmann Neto, a rodovia não está adequada ao fluxo de veículos que recebe diariamente:

– A BR-386 é a estrada da morte porque peca na segurança. É preciso investir pesado em engenharia de trânsito. O usuário merece uma estrada segura e de trânsito rápido.

Dirigente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Estado (Setcergs), Frank Woodhead afirma que o investimento em melhorias na segurança da rodovia é uma demanda urgentíssima:

– É lastimável o número de mortes. Temos carros e caminhões demais em uma via simples, de mão dupla.

O sindicato apoia o movimento pela duplicação de toda a rodovia.

– A duplicação praticamente zeraria colisões do tipo frontal, provocadas principalmente por ultrapassagens irregulares – afirma o especialista em transportes João Fortini Albano.

Contraponto
O que diz o Dnit, por meio da assessoria:
“O Dnit tem conhecimento dos problemas da BR-386 e está projetando melhorias. Uma das providências é licitar estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental para o trecho Iraí-Estrela, para indicar soluções de engenharia, incluindo duplicações e construção de viadutos e passarelas.”

ESTRADAS

fonte: ZERO HORA

A vitória dos municípios: Após sanção de Dilma, todos os estados brasileiros farão parte da divisão dos #royalties do petróleo

Aprovamos ontem (06/11), na Câmara dos Deputados, a divisão dos royalties do petróleo do pré sal entre todos os municípios brasileiros.
Os Estados não produtores de petróleo também tem direito a esta divisão, o que contraria a vontade do governo.
A proposta aprovada é do Senado e prevê que a fatia da União nos royalties dos campos já licitados caia dos atuais 30% para 20%, assim como a participação dos Estados produtores.
A votação encerrou com 286 votos a favor e 124 votos contrários a divisão dos royalties entre todos os estados e não somente entre os estados produtores, e a partir da sanção da Presidenta Dilma os Municípios receberão recursos a mais para seu orçamento que poderá acontecer já em 2013.
Esta é uma vitória de todos os parlamentares juntamente com todos os prefeitos que vem lutando há meses pelo destino desta verba que nada mais é do que um direito de todo o Brasil!

Cada município tem suas particularidades, os municípios pequenos ainda mais, cabe aos prefeitos definir onde serão investidos os recursos, levando em consideração as peculiaridades regionais ambientais, enfim, onde estão as necessidades da comunidade devem ser feitos os maiores investimentos com o acompanhamento e participação do povo.

Dilma sinaliza que vai sancionar a proposta dos royalties do petróleo
BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff encarou com “naturalidade” a derrota do governo na votação dos royalties

A presidente Dilma Rousseff encarou com “naturalidade” a derrota do governo na votação dos royalties do petróleo, ocorrida na noite desta terça-feira, na Câmara, e sinalizou que vai sancionar a proposta, sem vetos. A informação foi prestada pelo presidente do PMDB, senador Valdir Raupp, após participar de jantar no Palácio da Alvorada, a convite da presidente Dilma, onde PT e PMDB comemoraram o resultado das eleições. O deputado Henrique Eduardo Alves acredita, no entanto que podem ocorrer “vetos pontuais”, sem informar quais.
“A presidente citou que nestes dois projetos – código florestal e divisão de royalties – não tem como exigir fidelidade da base”, reconheceu a presidente, em conversa com os parlamentares, assim que soube do resultado da votação, ainda antes do jantar. Neste tipo de assunto, comentou a presidente, de acordo com o senador, são levadas em contas questões regionais. “Por isso mesmo, a tendência é sancionar sem vetos”, disse ele, referindo-se à disposição da presidente.
O senador Raupp negou que o governo possa ingressar com qualquer tipo de ação no Supremo Tribunal Federal para impedir que os estados produtores como Rio e Espírito Santo não sejam prejudicados em relação a áreas já licitadas. “Ela (presidente Dilma) não vai brigar por isso”, assegurou o senador, repetindo o que ouviu no Palácio da Alvorada. Embora reconheça que o assunto realmente poderá acabar no Supremo, a presidente vai deixar por conta dos estados agirem, se assim desejarem. “Ela não vai entrar nesta briga”, reiterou.
Em relação ao fato de o governo ter perdido a batalha pela garantia de 100% dos recursos do pré-sal para a educação, o senador disse que “a conversa que ouviu sobre isso é de que isso” é que depois que a presidente sancionar o projeto, este ponto pode ser corrigido no Senado. Valdir Raupp não explicou como isso seria feito. O deputado Henrique Eduardo Alves, no entanto, acha que foi pressão dos prefeitos sobre os parlamentares que fez com que esta proposta caísse. “os prefeitos acharam que ficaram muito engessados ao serem obrigados a destinar 100% para educação”, comentou o líder.

Fonte: IG

#Aumento dos #Combustíveis: Quem paga a conta é o trabalhador

Na tarde desta terça feira, 17 de julho, usei a tribuna para manifestar a minha crítica com relação a decisão da Petrobrás em realizar o aumento do preço do óleo diesel conforme foi anunciado na ultima semana sob a argumentação de que os preços deveriam estar alinhados com aqueles praticados no mercado internacional.
Quando a Petrobrás foi criada, além do objetivo da nacionalização do petróleo e o monopólio nacional era justamente para impedir que o setor produtivo brasileiro, principalmente com relação aos combustíveis ficassem sujeitos aos impactos dos preços praticados no mercado internacional.
Nós sabemos que no Brasil, mais de 60% da movimentação de cargas, são praticados por veículos, cujos motores são movidos a óleo diesel, com este aumento, com o impacto final de 4% para o consumidor final fatalmente irá incidir nos preços inclusive dos produtos que são colocados na mesa para alimentação do trabalhador.
Nós entendemos que se 60% da movimentação de cargas são praticados por veículos cujos motores são movidos a óleo diesel e também a movimentação e também a movimentação de pessoas, 90% são os motores dos veículos coletivos que transportam pessoas também são movidos a óleo diesel, então fatalmente a decisão desse aumento irá prejudicar o trabalhador brasileiro. O Brasil está em franco desenvolvimento econômico e esta decisão de reajuste no preço dos combustíveis não é conveniente e não é prudente para o momento tão importante quando o Brasil está no numa batalha para que a crise internacional não traga impacto no mercado interno brasileiro.

 

Impacto do reajuste do diesel na bomba ficará em torno de 4%
Ao contrário do aumento concedido em 22 de junho, que foi compensado por um corte tributário, desta vez haverá repasse para o preço final
A Petrobras reajustará o preço do diesel em 6% nas refinarias a partir da próxima segunda-feira (16), em um movimento para reduzir a defasagem do combustível em relação ao mercado internacional.
O aumento do diesel estimado ao consumidor final será de cerca de 4%, afirmou a estatal em comunicado nesta quinta-feira, sem explicar a razão de o percentual nas bombas ser inferior ao das refinarias.
“Esse reajuste foi definido levando em consideração a política de preços da companhia, que busca alinhar o preço dos derivados aos valores praticados no mercado internacional em uma perspectiva de médio e longo prazo”, disse a Petrobras.
É o segundo reajuste do diesel no Brasil em menos de um mês. Em 22 de junho, a Petrobras anunciara um aumento de quase 4% no valor do diesel e de 7,83% no preço da gasolina nas refinarias, medida que passou a valer em 25 de junho.
Na ocasião, o governo federal decidiu reduzir a zero as alíquotas da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) incidente no diesel e na gasolina para neutralizar os impactos dos aumentos para o consumidor final.
Apesar dos dois reajustes consecutivos, o preço do diesel continua defasado em relação ao praticado nos Estados Unidos, de acordo com o Centro Brasileiro de Infraestrutura.
A Petrobras informou no fim de junho que buscaria paridade de preços dos combustíveis entre o mercado doméstico e o internacional nos próximos anos para reforçar seu caixa e impulsionar seus investimentos.
A área de abastecimento da estatal tem registrado grandes perdas nos últimos trimestres, com as importações de gasolina a valores mais altos subindo vertiginosamente para atender ao mercado nacional, enquanto os preços dos combustíveis estavam mantidos no país para controle da inflação a pedido do acionista controlador da Petrobras, o governo federal.
Fonte:  Estadão

Depoimento em Plenário 17 de julho/2012