#Telefonia no Brasil: Veja o que dizem as pessoas nas ruas #21 é #HOJE

Hoje é dia de desligar o celular por uma hora, do meio dia às 13:00 horas, esse movimento vem crescendo no Brasil! A tua participação é importante para mudar esse quadro de espoliação contra os usuários de telefonia no país. Não concorde que o Brasileiro pague a segunda tarifa mais cara do mundo e receba um serviço de péssima qualidade! Quer ver o respeito deles contigo? Experimente ligar para um serviço de telemarketing de sua operadora.

“Eu acho os preços salgados, não sei por que não fazem mais barato, não estou contente não! Eu tenho telefone da OI e da Claro, mas é uma concorrência, deveria ser tudo igual, se não se torna mais caro de uma operadora para outra.
Dia 21 desligar por uma hora! Eu vou desligar todos os meus 3 celulares!”
Christian Melo_32 anos_Auxiliar de Manutenção.

“Celular é um roubo do qual eu não compactuo” _ José Augusto Rangel Reis _65 anos_aposentado

“Eu acho injusto, a gente põe crédito, não fala quase nada, aí já se foi o crédito e tem que carregar de novo. Ganha bônus mas somente para uma operadora, se tiver que ligar para outra operadora já não têm como ligar. Eu uso só a Claro, e quando termina meu crédito não posso mais usar o telefone para ligar para outra operadora. O bônus teria que ser utilizado para todas as operadoras para ter bom proveito do crédito que colocamos”. Rogenes Juliano de Oliveira _ 35 anos_ comerciante.

“Eu uso a OI e a Claro, e não ligo para outra operadora. Se alguém me der contato da Tim e da Vivo pode esquecer que eu não ligo. Eu só uso as operadoras que me dão bônus”. Luciane Machado_39 anos_ Funcionária Pública.

“Eu pago caro pelo celular, acabo de sair de duas pesquisas, duas concorrentes e elas estão muito próximas, quer dizer: para consumidor não existe benefício nesta concorrência. Este mercado é muito controlado e não é a concorrência que a gente imagina e a tarifa é cara”. João Luiz Goularte Souza_50 anos_ Comerciante.

Anúncios

Detetive particular agora têm profissão regulamentada

APROVADO o PL 1211/2011 de MINHA AUTORIA que regulamenta a profissão de Detetive Profissional do  Brasil.

 

O Projeto de Lei dispõe sobre a profissão de detetive particular, cria o Conselho Federal de Detetives do Brasil e os Conselhos Regionais de Detetives e dá providências correlatas.

Além de receber o devido reconhecimento, estes profissionais terão agora a oportunidade de ampliar seu conhecimento de profissional de investigação e ser mais um recurso da polícia para revelar crimes.

Na foto: Entrega de cópia da lei aprovada, com Itacir Flores- Presidente Nacional Pró Regulamentação da Profissão de Detetive do Brasil, Deputado Ronaldo Nogueira e Vinicius Di Cresci – advogado e professor.

 

ACOMPANHE O ANDAMENTO DESTA EMENDA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=500182

 

Clique neste link e veja uma matéria super criativa sobre a profissão de detetive. A matéria é antiga, a diferença é que agora a profissão de detetive é regulamentada.

Deputados entregam representação ao MPF contra operadoras de celular

MPF recebe representação contra telefônicas

Hoje as 11h da manhã foi protocolada na PGR (Procuradoria Geral da República) uma representação contra as práticas abusivas das operadoras de telefonia. O deputado federal Ronaldo Nogueira, e mais 4 congressistas que também assinam a denúncia foram recebidos pelo Subprocurador Geral da República, Dr. Antonio Fonseca, que é o coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão para o Consumidor e a Ordem Econômica. Estiveram na reunião os deputados federais João Campos, Pastor Eurico, Pastor Marcos Feliciano e Jerônimo Goergen.

Protesto ao alcance dos dedos

Durante a reunião o Procurador Antônio Fonseca salientou a relevância e o respaldo que o movimento tem nas redes sociais na internet e junto a população. O deputado Ronaldo Nogueira chamou a atenção para o fato de que mais de 1 milhão de brasileiros hoje desligou seu celular em protesto contra as altas tarifas e que no próximo dia 21 pretende mobilizar 10 milhões de brasileiros para desligarem seus celulares por tarifas mais justas.

Também subscrevem a esta denúncia crime os deputados Nelson Marchezan Jr., Liliam Sá e Sérgio Moraes.

 

A vitória dos municípios: Após sanção de Dilma, todos os estados brasileiros farão parte da divisão dos #royalties do petróleo

Aprovamos ontem (06/11), na Câmara dos Deputados, a divisão dos royalties do petróleo do pré sal entre todos os municípios brasileiros.
Os Estados não produtores de petróleo também tem direito a esta divisão, o que contraria a vontade do governo.
A proposta aprovada é do Senado e prevê que a fatia da União nos royalties dos campos já licitados caia dos atuais 30% para 20%, assim como a participação dos Estados produtores.
A votação encerrou com 286 votos a favor e 124 votos contrários a divisão dos royalties entre todos os estados e não somente entre os estados produtores, e a partir da sanção da Presidenta Dilma os Municípios receberão recursos a mais para seu orçamento que poderá acontecer já em 2013.
Esta é uma vitória de todos os parlamentares juntamente com todos os prefeitos que vem lutando há meses pelo destino desta verba que nada mais é do que um direito de todo o Brasil!

Cada município tem suas particularidades, os municípios pequenos ainda mais, cabe aos prefeitos definir onde serão investidos os recursos, levando em consideração as peculiaridades regionais ambientais, enfim, onde estão as necessidades da comunidade devem ser feitos os maiores investimentos com o acompanhamento e participação do povo.

Dilma sinaliza que vai sancionar a proposta dos royalties do petróleo
BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff encarou com “naturalidade” a derrota do governo na votação dos royalties

A presidente Dilma Rousseff encarou com “naturalidade” a derrota do governo na votação dos royalties do petróleo, ocorrida na noite desta terça-feira, na Câmara, e sinalizou que vai sancionar a proposta, sem vetos. A informação foi prestada pelo presidente do PMDB, senador Valdir Raupp, após participar de jantar no Palácio da Alvorada, a convite da presidente Dilma, onde PT e PMDB comemoraram o resultado das eleições. O deputado Henrique Eduardo Alves acredita, no entanto que podem ocorrer “vetos pontuais”, sem informar quais.
“A presidente citou que nestes dois projetos – código florestal e divisão de royalties – não tem como exigir fidelidade da base”, reconheceu a presidente, em conversa com os parlamentares, assim que soube do resultado da votação, ainda antes do jantar. Neste tipo de assunto, comentou a presidente, de acordo com o senador, são levadas em contas questões regionais. “Por isso mesmo, a tendência é sancionar sem vetos”, disse ele, referindo-se à disposição da presidente.
O senador Raupp negou que o governo possa ingressar com qualquer tipo de ação no Supremo Tribunal Federal para impedir que os estados produtores como Rio e Espírito Santo não sejam prejudicados em relação a áreas já licitadas. “Ela (presidente Dilma) não vai brigar por isso”, assegurou o senador, repetindo o que ouviu no Palácio da Alvorada. Embora reconheça que o assunto realmente poderá acabar no Supremo, a presidente vai deixar por conta dos estados agirem, se assim desejarem. “Ela não vai entrar nesta briga”, reiterou.
Em relação ao fato de o governo ter perdido a batalha pela garantia de 100% dos recursos do pré-sal para a educação, o senador disse que “a conversa que ouviu sobre isso é de que isso” é que depois que a presidente sancionar o projeto, este ponto pode ser corrigido no Senado. Valdir Raupp não explicou como isso seria feito. O deputado Henrique Eduardo Alves, no entanto, acha que foi pressão dos prefeitos sobre os parlamentares que fez com que esta proposta caísse. “os prefeitos acharam que ficaram muito engessados ao serem obrigados a destinar 100% para educação”, comentou o líder.

Fonte: IG

Reclamações de consumidores da telefonia móvel formam cartas quilométricas

RECLAME! CONTESTE! VOCÊ TEM ESTE DIREITO!
SOMENTE COM PRESSÃO VINDA DA SOCIEDADE A CPI SERÁ INSTALADA!
PARTICIPE!

Veja que interessante este site
http://konkero.com.br/aloquerofalar/
Mobilização recolhe reclamações e imprime cartas quilométricas e enviam para as operadoras de celular cobrando respostas!
Faça sua reclamação neste site!
Em 1992 o povo se uniu e conseguiu derrubar o Presidente da nação!
Caras pintadas foram as ruas em busca de seus ideais!
Unidos o povo é forte!
Unidos os brasileiros têm muito poder!

 

Deputado Marco Maia disse apoiar a CPI da telefonia móvel e que o setor precisa de investimentos e fiscalização

A CPI da telefonia móvel foi protocolada, dia 09 de agosto, com 188 assinaturas confirmadas, no momento continuamos aguardando a confirmação do Presidente da Câmara, o Deputado Marco Maia para a instalação da CPI quando então será dado início à investigação com relação a cobrança das tarifas de interconexão.  Esta tarifa de interconexão é o maior objeto de lucro das empresas enquanto deveriam estar sendo utilizada em melhorias no sistema.
As operadoras impedem que haja competitividade no setor, dos mais de 250 milhões de telefones celulares existentes hoje no Brasil, 82% é da modalidade pré pago, o que nos faz concluir que o maior prejudicado é o trabalhador brasileiro. Como a tarifa de interconexão é muito cara os consumidores estão optando por possuir 4 aparelhso celulares, um para cada operadora.

Aos 28:40 minutos inicia a entrevista do deputado Marco Maia. No link no final desta pagina assista o programa Bibo Nunes na íntegra.

O Deputado Marco Maia, disse ao apresentador Bibo Nunes da TV Ulbra/RS que a CPI da telefonia é muito importante. Maia disse que apoia a instalação desta CPI e que no momento ela está passando por analise técnica na Câmara dos Deputados.
Segundo Maia “esta CPI dialoga com um setor que precisa ter investimentos e que ao mesmo tempo precisa ser fiscalizado”.
Maia disse ainda que “pagamos e não recebemos por aquilo que é pago, o sinal, os serviços oferecidos, a própria telefonia 3g e internet não chegam aos nossos aparelhos com a mesma intensidade com que é feita a propaganda”.
O presidente da câmara finalizou a entrevista dizendo que “precisamos ter uma fiscalização mais presente e mais eficiente, eu estou muito propicio a criar esta CPI”.

ASSISTA O PROGRAMA NA ÍNTEGRA CLICANDO AQUI

Telefonia: Sinal ruim a preço abusivo! Até quando?

Como o jornalista Edgar Lisboa (JC RS) afirma, o futuro da telefonia será conturbado, não daremos “folga” para as operadoras que não cumprem leis no país do qual recebem altas tarifas dos consumidores há 14 anos.

Enquanto os brasileiros aguardam os prometidos investimentos em melhorias crescem as reclamações em call centers que não estão preparados para atender a demanda e resolver a série crescente de problemas registrados. As cobranças indevidas (popularmente chamadas de roubo) somam 42% das reclamações, o que representa quase a metade, isso significa que apesar o sinal ruim os brasileiros estão mais preocupados é mesmo com a conta a pagar.

Nossa luta é incessante, queremos a CPI DA TELEFONIA! Se tudo correr bem, em meados de outubro iremos concretizar este pedido, mas é preciso que as manifestações populares continuem, com a ajuda do POVO somos mais fortes, precisamos de apoio e manifestações a favor desta causa!

A CPI irá investigar o por quê das altas tarifas cobradas pelas operadoras de celular e o por quê a Anatel , a agência reguladora, não vem exigindo o cumprimento da lei por parte destas operadoras. O Índice de Desempenho no Atendimento (IDA) tem como finalidade incentivar as prestadoras a aperfeiçoar o tratamento de reclamações, tornando-as mais eficazes na resolução de problemas apontados pelos usuários dos serviços. Surpreendente é saber que as operadoras obtêm notas medias neste índice, quando a insatisfação dos consumidores é crescente.

#CPI das #telefônicas soma forças

ao centro Deputado Marco Maia

Na tarde de hoje, 21 de agosto, estive reunido com lideranças partidárias e o presidente da Câmara Deputado Marco Maia em Brasília, para somar forças para a instalação da CPI das telefônicas. A principal pauta das reuniões foi a importância do apoio popular, considerando o que esta CPI irá representar para a história da telefonia no Brasil.
O Deputado Nelson Marchezan Jr (PSDB/RS) e o Deputado Roberto Teixeira (PP/PE) me acompanharam.
Esta CPI será iminetentemente técnica, sem nenhum objetivo político. Terá o propósito de investigar os valores das tarifas e dos investimentos feitos em infra estrutura.
É muito importante que todos os líderes partidários prestem apoio ao presidente da câmara Deputado Marco Maia para que que juntos possamos obter um resultado técnico responsável para mudar este quadro.
O Deputado Teixeira é vice presidente da subcomissão de Defesa dos Direitos do Consumidor e afirmou estar totalmente a favor da instalação da CPI das telefônicas, segundo ele “este serviço está funcionando de maneira inadequada no Brasil, o consumidor paga caro por um serviço de má qualidade e praticamente inascessivel”. Teixeira relatou ainda que hoje mesmo teve que refazer 5 vezes a mesma ligação, do caminho do aeroporto até a esplanada, para conseguir contatar sua equipe em Pernambuco.

Veja o pronunciamento em Plenário desta terça feira (21):

http://www.youtube.com/watch?v=yDiZZ0tG_Ag&feature=youtu.be

#Telefonia: Investidores de todo o mundo estão de olho no Brasil

A revista inglesa THE ECONOMIST é um dos mais importantes formadores de opinião no mundo dos investidores. Ela aponta para a insatisfação dos clientes brasileiros e a necessidade de investimentos antes do previsto por parte das operadoras. Isto significa que possívelmente as ações destas empresas irão ter declínio significativo, que não tem obtido bons resultados no mercado brasileiro, e que sua gestão está envolta em uma “crise da telefonia”. A revista ainda aponta, no título para um “apagão” da telefonia móvel do Brasil no horizonte desta crise. A ANATEL e o ministério devem ficar atentos a estratégias envolvendo a desvalorização das empresas que operam a telefonia brasileira e para a possível evasão de recursos gerados na telefonia brasileira diante de um quadro de negócios menos favorável para estas empresas multinacionais que operam neste mercado.

Sem Sinal

O número de celulares só cresce, mas a insatisfação de clientes demonstra como o setor sofre para resolver suas deficiências

A funcionária pública Amanda Lima queria um iPhone. Cliente da TIM, ela foi atraída por uma promoção da Claro, que oferecia desconto no aparelho em troca de um plano de R$ 90 mensais com internet ilimitada. Segundo o vendedor, a primeira mensalidade seria de R$ 130 e o valor cairia nos meses seguintes. Isso não aconteceu. Amanda está há mais de três meses pagando mais do que combinou na loja – e a velocidade de sua conexão fica lenta depois de atingir a cota de dados.
“Terei de ir ao Procon. Pela Claro mesmo não consigo resolver”, diz ela, que só não troca de operadora agora porque está presa à fidelidade de um ano. A portabilidade numérica, aprovada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em 2007, deveria aumentar a concorrência entre operadoras. Na prática, é mais um dos motivos que estão levando ao colapso do sistema de telefonia móvel no País, que a revista Economist diz ser “o próximo apagão”.

“A portabilidade cria mais condições de fidelização do consumidor”, diz Veridiana Alimonti, advogada do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec). “O que vemos são ofertas mais agressivas, o que impacta na qualidade dos serviços.”

Em julho, a Anatel proibiu Oi, TIM e Claro de venderem novas linhas de celular. Segundo a consultoria IDC, a capacidade das redes não foi suficiente para atender à demanda, aquecida por causa da guerra de preços entre operadoras. Entre 2009 e 2011 o número de linhas subiu 40%, mas os investimentos em infraestrutura foram insuficientes. A venda de novas linhas foi liberada depois de as operadoras apresentarem um plano de melhorias, mas os problemas continuam.

Segundo Veridiana, entre as ofertas agressivas das operadoras, estão os planos de fidelização – como o Infinity da TIM, alvo de denúncia grave do Ministério Público do Paraná (MP-PR, leia abaixo entrevista com o promotor responsável pela ação).

Segundo dados da Anatel analisados pelo MP-PR, a TIM é suspeita de interromper de propósito as chamadas feitas por usuários do plano. No Infinity, o usuário paga por chamada realizada, não pela duração. Quanto mais ligações, mais lucro. O relatório aponta que, para clientes do Infinity, a queda ra quatro vezes maior do que para clientes de outros planos. A TIM teria lucrado R$ 4,3 milhões com a medida.

“Meus amigos falam que eu desligo na cara deles”, diz a estudante Mariana Barros, de Macapá (AP), cliente da TIM e do Infitiny há três anos. “Às vezes fico que nem pateta falando e, quando vejo, a ligação é finalizada.” Marina foi cliente da Vivo, mas trocou de operadora porque tinha de recarregar os créditos a cada quatro ou cinco dias.

A TIM nega “veementemente” a acusação. “Uma derrubada deliberada de chamadas é fraude, é crime, e precisa ter respaldo técnico e documental de altíssima segurança”, disse Mario Girasole, presidente da TIM, em audiência no Senado. “A denúncia não é uma posição oficial da Anatel e apontou falhas na metodologia aplicada.”

O MP-PR também investigará outras operadoras de telefonia. Os promotores querem apurar se as empresas cumprem, no Estado, o plano geral de metas e qualidade definido pela Anatel.

Mas o que diz a Anatel? Segundo o plano geral da agência, as operadoras devem completar apenas 67% das chamadas. Se 33% das ligações não forem completadas, está tudo bem para a agência. “Há um problema sério de regulação e fiscalização”, diz Veridiana Alimonti, do Idec. Segundo ela, há um plano geral desde 2000, que propunha metas progressivas, mas há metas de 2003 que permanecem iguais. O índice de chamadas completadas foi proposto em 2004. “Os planos aprovados previram metas, mas a base de clientes aumentou”, diz ela.

Queixas. “A telefonia é o único setor em que o atendimento não evoluiu. Hoje os bancos têm concorrência até para reduzir juros, mas a telefonia virou esse caos”, diz Mauricio Vargas, fundador do site Reclame Aqui. O site recebeu 107 mil reclamações sobre operadoras de telefonia nos últimos 12 meses. As principais queixas se referem ao sinal, à rede e à cobertura. Apenas a TIM e a Vivo responderam às reclamações dos clientes no site.

O número de queixas é grande, mas especialistas dizem que pode ser ainda maior. Hoje a Anatel baseia suas ações repressivas no número de reclamações no Procon – o ideal seria contabilizar também as reclamações via call center. Hoje o usuário pode reclamar direto nas empresas, no Procon ou outras ferramentas para espalhar o problema e alertar outros usuários, como o próprio Reclame Aqui e o site Zaanga. A Anatel recebe reclamações via telefone e internet – mas, online, o mecanismo é pouco intuitivo.

Para a Economist, a crise das telecomunicações “guarda muitas semelhanças com o apagão”: investimento baixo, negligência diante do aumento da demanda e um pobre quadro legal e regulatório. “O apagão provocou retração na economia brasileira”, recorda a revista. E ela projeta: a demanda deve aumentar ainda mais por causa da Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016 – sem falar no leilão do 4G, a internet móvel dez vezes mais rápida do que o 3G, vencido por Vivo, Claro, TIM e Oi.

Fonte: Estadão

#Telefonia Móvel: Planos ou somente promessas?

Na audiência pública que ocorreu na Assembléia Legislativa-RS, na manhã desta sexta feira (10), realizada pela Frente Parlamentar de Proteção ao Consumidor de Energia Elétrica e telecomunicação, presidida pelo deputado Ernani Polo, foram discutidas a qualidade de sinal da telefonia móvel e a instalação de antenas em municípios gaúchos, que, segundo as operadoras , seguem com impedimento das legislações dos municípios. O presidente da Anatel João Rezende não descartou a possibilidade de nova proibição de vendas de telefones caso as operadoras não cumpram suas metas em melhorar a qualidade na prestação do serviço.
Outro assunto em evidência foram as altas tarifas, que segundo o diretor executivo do SindiTelebrasil, Eduardo Levy, não são abusivas. Segundo ele os investimentos feitos pelas operadoras somente não cresceram na mesma proporção por que as tecnologias utilizadas na transmissão se tornaram mais baratas.

Contrariando a afirmação de Eduardo Levy, apresentei dados e números dos quais posso comprovar, afinal antes  do presidente Rezende a Anatel foi muito bondosa com as operadoras de celular,  quando houveram multas, estas multas não chegaram a 5%. A Secretaria de Direito  Econômico do Ministério da Justiça moveu um processo que versava práticas  contra a ordem econômica de três grande operadoras, e este processo está  dormindo em berço esplêndido no CAD desde abril de 2003. A mesma cópia deste  processo foi encaminhada para a Anatel que arquivou o processo. A cobrança da  tarifa chamada de tarifa de interconexão tinha o objetivo de remunerar os investimentos que deveriam ser realizados pela iniciativa privada, que iria  explorar o mercado de telecomunicação no Brasil. Então, o usuário iria pagar o  custo e receberia um aporte de subsídios que seriam investidos em  infraestrutura. Havia previsão da revisão destas tarifas em 2002, a revisão não  ocorreu, os investimentos certamente não aconteceram, e o artigo 252 da lei geral das telecomunicações diz que a cobrança da tarifa de interconexão não é  para ser objeto de lucro para as empresas. Estas tarifas devem ser utilizadas  para subsidiar a infraestrutura. As empresas reconhecem que a arrecadação da tarifa  de interconexão chegam a 25% do faturamento bruto. Existem dados encaminhados pelo  Ministério da Justiça que dizem que a arrecadação sobre a tarifa de  interconexão chega a 50% do lucro bruto destas empresas.

Ao finalizar o evento o presidente das OAB/RS Cláudio Lamachia, disse estar decepcionado com as operadoras que tiveram mais uma oportunidade de apresentar uma proposta para melhorar o sinal da telefonia móvel e não o fizeram, Lamachia disse: que “onde tem população e faturamento tem antena, onde a concentração de pessoas é menor não tem antenas.  Nos esperamos um posicionamento claro e conclusivo, os senhores em um determinado momento apontaram nas OAB que teriam mais de 30 solicitações da PMPA de novas antenas e que a burocracia municipal não lhes concedia a condição de instalarem estas antenas. Estou até hoje esperando a relação destas 30 antenas que os Srs. Pretendem instalar em PoA. No meu escritório particular, na minha sala eu não consigo falar com o telefone da Vivo. Saio daqui mais uma vez frustrado. A reponsabilidade do requerimento enviado a ANATEL foi da OAB/RS. Uma empresa que tem uma concessão pública jamais poderá descumprir a lei” finalizou.

Solicitada posição das operadoras para a melhoria da qualidade dos serviços da telefonia no Estado do Rio Grande do Sul os representante das operadoras se comprometeram a:
Vivo– A Vivo está trabalhando no plano da Anatel comentou, nós estamos entregando que vai ser disponibilizados para a Anatel e posteriormente, acertamos com o PROCON, será entregue o plano. Não temos o plano aqui em mãos por que o plano será antes apresentado para a Anatel, conforme foi acertado na reunião. Os investimentos que ocorreram nos últimos 5 anos foram de 660 millhões aqui para o Estado do Rio Grande do Sul.
Oi – Nos temos já aprovados e em grande parte em execução projetos para 2012 de 290 milhões em todo o Estado do Rio Grande do Sul. Os investimentos de 2010 e 2011 elevaram nossa cobertura para 97% da população do Estado. A ampliação vai continuar em 2012 e os nossos planos até 2014 faz com que os investimentos no Estado cheguem até 1 bilhão nos últimos três anos, e 290 milhões em 2012. Alguns investimentos estão sendo antecipados que seriam para 2013, serão antecipados para 2012. Seguramente, chegaremos ao final de 2012 com o serviço muito melhor do que nós temos hoje. Sabemos que melhoramos muito mas temos consciência que temos muito a melhorar e nós vamos fazê-lo.
Tim – O plano de investimentos já está disponível no site da Anatel, inclusive falando do Rio Grande do Sul. Quero salientar que de 2011 a 2013 foram investidos e serão investidos 500 milhões de reais, na região Sul. Isto quer dizer SC e RS. A TIM não tem um número somente para o RS, mas no site da Anatel está o número do Sul. O compromisso estar sempre melhorando e atendendo com qualidade.
Claro – O nosso plano já está aprovado pela Anatel, nós temos um compromisso junto ao PROCON estadual de apresentar na sequência junto a defensoria pública. Para depois fazermos o acompanhamento, me coloco a disposição de vocês para fazer a mesma apresentação que foi feita para o Procon e a Defensoria Pública, com o acompanhamento de todos os investimentos do Estado do Rio Grande do Sul, nosso compromisso é trabalhar de forma construtiva conforme vemos fazendo com o Procon, e desde a nossa primeira audiência pública na AOB os nosso sentido é junto com todos construirmos um cenário e uma forma melhor de considerar esta questão da cobertura e de atendimento e qualidade do serviço. Juntamente com o SINDITELEBRASIL que tem nos apoiado. Esta divulgação, como já estava determinado junto com o Procon estadual. Vais estar disponível pra todo mundo.